celebridades_disney_05

Por: Joaquim Tiago

Um reino fantástico, mágico e belo. Vivia-se feliz neste reino fantástico com sua realidade e beleza só quem conseguia fazer mágica.

Havia vários magos, encantadores que ensinavam receitas misteriosas e negociavam o serviço para transformar todas as pessoas que tivessem interesse e possuíssem condições.

Os que não tinham condições podiam recorrer a outros meios que fossem fáceis e dessem condições para se fazer algo para transforma toda realidade presente…

No mundo de faz de conta orquestrado pela grande mídia, faz-se de conta o existir de várias fantasias. É um mundo de sensações. Ele existe e também existe nele uma crise: Quem é o autor dessa história?

Nesta história de uma possível vida – me venderam a oportunidade de ser o campeão, ou não. Na história do impossível – sou um descaracterizado e roubado.

Esse não é um conto infantil onde o bem prevalece contra o mal. O verdadeiro mal é que infantilizaram adultos, não deixaram essas crianças desenvolver a capacidade de escolha. Pessoas não escolhem mais quem vai ser quando “crescer” ou se dará prosseguimento a história da familiar, o mercado faz à escolha.

Quando você era criança, você já brincou de polícia e ladrão? De super-heróis? De cazinha? De time grande de futebol? De qualquer outra coisa teatral? Nestas brincadeiras uma das primeiras perguntas é: Quem você quer ser?

Os espertos escolhem os melhores papéis e assim forma-se o faz de conta na realidade criada. Começamos a fazer o papel de quem somos, ou tentamos ser.

No faz de conta contemporâneo e na infantilização de nossas escolhas o dono da brincadeira nos pergunta novamente: Quem você quer ser?

O “grande irmão” além de perguntar também nos oferece o que temos de fazer ou o que faremos para assumir o papel do mocinho ou donzela linda que terminará como a princesa salva pelo herói loiro de olhos azuis da história com final mágico.

Você já perguntou qual é a moral da história e por que você faz esse papel? Por que lhe deram esse papel? O papel do poder e o poder da representação. Neste faz de conta geralmente não somos e temos que fazer a representação para parecer bem.

O espetáculo vai começar e a brincadeira não tem fim, só existe as regras ditadas para o faça e represente bem, sem nenhuma consciência de quem é. Ideologicamente buscamos ser e representar o papel cobrado por um mundo do faz de conta.

Faz porque assim o conto da vida pareceu real…

Mas qual é a moral da história?

Ser belo, ser famoso, ser rico?

Quem é você?


“_ Então você é Rei? _ Perguntou Pilatos.

_ É senhor que esta dizendo que eu sou rei! _ Respondeu Jesus.

_ Foi para falar da verdade que eu nasci e vim ao mundo. Quem esta do lado da verdade ouvi a minha voz.” (Jo 18:37)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s