Não há ninguém que faça o bem

jovem rico

Eis que alguém se aproximou de Jesus e lhe perguntou: “Mestre, que farei de bom para ter a vida eterna? ” Respondeu-lhe Jesus: “Por que você me pergunta sobre o que é bom? Há somente um que é bom. Se você quer entrar na vida, obedeça aos mandamentos”. “Quais? “, perguntou ele. Jesus respondeu: ” ‘Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não darás falso testemunho, honra teu pai e tua mãe’ e ‘amarás o teu próximo como a ti mesmo’”. Disse-lhe o jovem: “A tudo isso tenho obedecido. O que me falta ainda? ” Jesus respondeu: “Se você quer ser perfeito, vá, venda os seus bens e dê o dinheiro aos pobres, e você terá um tesouro no céu. Depois, venha e siga-me”. Ouvindo isso, o jovem afastou-se triste, porque tinha muitas riquezas. Então Jesus disse aos discípulos: “Digo-lhes a verdade: Dificilmente um rico entrará no Reino dos céus. (Mateus 19:16-23)

A pergunta desse jovem não foi apenas sobre o Reino dos Céus e como herdá-lo, mas também como ser uma pessoa boa, um homem bom.

Como ser bom e ter bondade, pois os bons herdarão o Reino de Deus.

Jesus tem respostas complexas e interessantes: “Quem é bom? Só existe um que é bom!”

Se quer ser bom é só realizar o que os mandamentos pedem. Todos eles o “Jovem Rico” praticava como crente fiel e zeloso, só lhe faltava uma gratidão, uma coisa.

Ainda existem pessoas boas, bondosas e amorosas, mesmo vendo a maldade aumentar diariamente e simultaneamente fazendo o amor esfriar.

Ser justo e fazer coisas boas é um dos princípios cristão de maior relevância e veio mudando a história de culturas injustas, esse é um fundamento deixado pelo próprio Jesus Cristo.

 

O que buscam as boas pessoas?

Porque ser bonzinho hoje? Qual a intenção dos cristãos contemporâneos? Que mérito uma bondade pode ter?

Existe um pensamento dominante nesta sociedade que afeta o comportamento das pessoas – o reconhecimento e o recebimento como retribuição. Essa ideologia ganhou ênfase maior nas redes sociais. Um pouco da atenção e da curtida já efetua parte desse reconhecimento.

Temos neste universo, os bons de ação, os melhores comentaristas fazendo suas análises dos problemas atuais, os profissionais privilegiados, os que sabem fazer festa, as melhores poses para self. Ser melhor quando se trata de parecer bom e se transformar na melhor propaganda das manifestações visuais.

Esse castelo de cartas se baterem com o evangelho vai cair e se as boas intenções bater de frente com o com Cristo e com o amor bíblico na conversão desmoronará.

Dos dez leprosos apenas um voltou para agradecer, o mesmo discípulo que viu todos os milagres acontecer ao seu lado e participou do circulo intimo de Jesus Cristo negociou cooperação com os inimigos por 30 moedas.

 

Fazer o bem para um mundo de injustiça não é tarefa simples e de pouca visibilidade.

Para quem quer ser justo precisa saber viver pela fé, ou nas palavras de Paulo em Romanos, “o justo viverá da fé” (Rm 1.17). Esse é o consolo!

 

O que busca o amor?

O amor… Não busca os seus interesses. (1 Coríntios 13:5)

O evangelho “corta na carne”, “bate na consciência” e ignora os méritos! Apesar da sociedade viver hoje de reconhecimentos, o evangelho de Cristo não é aquele sentimento de alegria esperando ser retribuída, a felicidade da bondade verdadeira esta apenas nela acontecer.

O amor não busca os seus interesses. Amar é entender o direito do outro, compartilhar o direito é atitude de justiça, todos têm direito a vida sabendo que foi Deus que nos capacitou pela fé para ser justo.

O interesse na justiça é quando direito do meu próximo a existir com dignidade e felicidade pode e deve acontecer.

 

Um coração agradecido

Quem não sabe retribuir, não sabe amar. A miséria é fruto da ingratidão, a miséria é fruto da avareza. A mesma pessoa que não é agradecida, não sabe retribuir o favor, é ingrato com a vida, com as pessoas e com Deus.

Avareza é a falta de generosidade, é mesquinhez, sovinice, insignificância e miserabilidade. O avarento tem problema com o medo da falta. O que falta para o avarento e amor. Medo de não ter mais para guardar, para não gastar com a prática do individualismo.

O avarento quando retribui e ajuda fica morrendo de medo de faltar na sua dispensa, na sua poupança. Ávidos e gananciosos se acham pleno e merecedor do que pensam possuir, mérito de suas posses. Agradecer, retribuir, contribuir para quê?  Para quer ser bom sem receber o mérito e o retorno? O que vou ganhar com isso?

 

Onde esta o seu tesouro? Onde esta sua paixão?

Porque, onde estiver o teu tesouro, aí também estará o teu coração. Um corpo iluminado Mt. 6,21

Ouvimos muito de um deus que existe para encher as vidas de boas garantias e um mundo de retribuições, socialmente financeiras. Esse deus não é o Pai de Jesus Cristo e esse nunca foi o seu amor. Cuidado para não adorar deuses estranhos e o deus errado!

Os desumanos são capazes de criar ídolos a sua imagem, ídolos bonzinhos refletidos no espelho das vaidades.

O que falta para quem não entendeu o fingiu não entender é a conversão! É necessário voltar- se para Cristo, se converter novamente e descobrir onde esta seu coração.

O evangelho é contra essa natureza, a velha maneira egoísta de ser. Ele é contra nós para ser a favor Dele, para ser transformado, viver de outra maneira, amando a justiça e a verdade para ser.

Não vai adiantar muito saber e praticar toda ordem de bondades morais e esconder o coração nas riquezas pessoais.

“Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.” 1 Jo 4.7

Joaquim Tiago Bill

Anúncios