A tristeza segundo Deus e a tristeza segundo o mundo

angustia

“Deus sussurra a nós na saúde e prosperidade, mas, sendo maus ouvintes, deixamos de ouvir a voz de Deus. Então Ele gira o botão do amplificador por meio do sofrimento. Aí então ouvimos o ribombar de Sua voz”. (C. S. Lewis)

Todos nós enfrentamos momentos de tristeza, de angústia, de medo e ansiedade. Cristo nosso Senhor enfrentou momentos de grandes dores, temores, melancolias e tristeza. Existem momentos tristes que passam e outros que já não são momentos, mas dias e anos que insistem em durar, em ficar.

A tristeza pode trazer sofrimentos submetendo nosso sistema nervoso ao desgaste sendo consciente ou inconsciente. “Quando se manifesta de forma consciente provoca dor ou infelicidade, quando é inconsciente se traduz em esgotamento ou cansaço.” Vivemos mesmo em um mundo de aflições, somos afligidos e nosso maior desafio é continuar a ter animo, ser reanimado nesse dia para continuar a caminhar.

A dor pode ser também um remédio amargo no dia da angústia, a tristeza pode ser transformada em motivo para buscar cura para enfermidade e o que nos faz sofrer. Se não existe vida sem encarar temores e aflições, é porque não existem motivos maiores para continuar a enfrentar cada infelicidade. Toda dor pode ser também um grande alto-falante de Deus em nossos ouvidos nos alertando para a mudança. Precisamos entender e discernir a tristeza que vem de Deus e a que vem do sistema que governa o mundo, a de Deus produz arrependimento e do sistema mundano o remorso e a morte.

“Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte.” (2Coríntios 7.10)

Joaquim Tiago Bill
(13/07/16)

*Amigos(as), irmandade e comunidade, estou voltando ao desafio de escrever o devocional diário e espero contribuir para nossa espiritualidade e caminhada de fé. Compartilhe, indique, comente e se achar legal curta. Esteja em paz e com o Eterno.

Como se justifica a vida?

Cristo lavando pes

“Ao aceitar, pela fé, o que Deus sempre desejou para nós – consertar nossa situação com ele, tornar-nos prontos para ele -, alcançamos tudo isso com Deus por causa do nosso Senhor Jesus. Mais ainda, abrimo-nos para Deus e descobrimos, ao mesmo tempo, que ele já se abriu para nós e nos achamos no lugar que ele queira que estivéssemos – perante a graça de Deus, na presença dele, expressando nosso louvor.” (Romanos 5.1-2)

A obra de Deus na vida de Cristo nos justifica a viver. Esse justo vive pela fé da qual o próprio Cristo é o autor. A vida de Cristo nos mostra como se deve ser.

O que Deus esta desejando é nós tornarmos prontos para Ele e assim a justificação em Cristo tem dois pontos fundamentais que são: 1) A obrada da redenção creditada a nós sem mérito; 2) O outro é a obra que o próprio Deus quer realizar conosco através da sua vontade, como fez em Cristo, isto é, levando a nossa cruz e sacrificando a nossa própria vontade.

A obra de fé em Cristo não é nossa, humana e caída, não é apenas a nossa maneira de pensar, não é um sentimento e um atributo intelectual. A obra de fé, como a fé de Abrão que creu e isso lhe foi imputado como justiça (Gn 15.6) é ouvir e obedecer a Deus mesmo sem religião (Rm 4).

Podemos nos justificar diante de Deus como muitos tentaram, como muitos ainda tentam buscando a meritocracia ou os próprios méritos. Quem esta em missão é Deus e nesse caso somos seus cooperadores obedientes.

Lembra quanto em certa ocasião um perito na lei (fariseu) tentou colocar Jesus Cristo a prova e se justificar com suas obras religiosas? Ele lhe perguntou:
_”Mestre, o que preciso fazer para herdar a vida eterna?”
Cristo lhe perguntou:
_”O que está escrito na Lei? Como você a lê?”
Ele respondeu:
_”Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento e ame o seu próximo como a si mesmo.”
_Disse Jesus:
_”Você respondeu corretamente. Faça isso, e viverá.”
Na dúvida e na mão da contramão do que fazia, ele querendo justificar-se, perguntou a Jesus:
_”E quem é o meu próximo?”
Cristo lhe contou uma história bem interessante para poder ilustrar o seu próximo (parábola). A história da vida real foi sobre um homem ESTRANGEIRO que estava fugindo dos horrores da guerra em sua aldeia com toda a sua família, ele tentava salvar seus filhos e buscar um futuro melhor. Mas no meio do caminho dificultoso pelas montanhas havia o grande mar onde foram atingidos pela tempestade e grandes ondas, desafios naturais que não tinham como transpassá-los devidos os poucos recursos de transporte como carros de guerra e fortes navios. O filho atingido foi deixado pelo caminho, as margens da praia. Durante o êxodo desesperado pela sobrevivência passou religiosos, passou toda uma potência religiosa que esta assistindo em seus recursos tecnológicos, mas não podiam ajudar. Eles tinham suas justificações e não deviam politicamente se envolver e nem quiseram atender o pobre ESTRANGEIRO. Somente um Cisjordânio (samaritano islâmico) o ajudou. Ao que Jesus lhe perguntou…
_”Qual destes três você acha que foi o próximo da família que foi vitimada pela maldade humana em todas as suas guerras?”
O perito da lei religioso afirmou:
_”Aquele que teve misericórdia dele!”
_“Jesus lhe disse: Vá e faça o mesmo!”
(Lucas 10: 25-37)
Saber da fé é uma coisa, mas ser transformado em justo pela fé é outra coisa menos religiosa e bem diferente! A vida não se justifica por nossos méritos, se justifica por aquele que é por nós.

A obra de Deus não somos nós que fazemos, é Ele quem realiza através de nós quando obedecemos como Cristo Jesus foi obediente.

Joaquim Tiago

11/09/15

Justificador

O que vem a ser a justiça?
Etimologicamente, este é um termo que vem do latim justitia. É o principio básico que mantém a ordem social através da preservação dos direitos em sua forma legal. A justiça é aquilo que deve fazer de acordo com o direito, a razão e a equidade.
 
Em Aristóteles aprendemos que os meios para se atingir a felicidade são as virtudes (formas de excelência), discutidas por ele na Ética a Nicômaco. As virtudes são disposições de caráter cuja finalidade é a realização da perfeição do homem, enquanto ser racional. A virtude consiste em um meio-termo entre dois extremos, entre dois atos viciosos, um caracterizado pelo excesso e outro pela falta, pela carência.
 
Aristóteles divide as virtudes em dianoéticas (ou intelectuais), às quais se chega pelo ensinamento, e éticas (ou morais), às quais se chega pelo exercício, pelo hábito. As virtudes éticas, enquanto virtudes do saber prático, não se destinam ao conhecer, como as dianoéticas, mas à ação. Para sua aquisição o conhecimento tem pouca ou nenhuma importância.
Das virtudes dianoéticas, a de maior importância é a phrónesis (prudência), capacidade de deliberar sobre o que é bom ou mal, correto ou incorreto. Das virtudes éticas, a mais importante é a justiça.
 
A justiça cumpre a lei na busca do direito de todos e do necessitado. A lei para Jesus Cristo se resume no amor, aquele que ama cumpriu toda a lei. “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e com toda a tua capacidade intelectual’ e ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’” (Lc 10.17). “Porque o fim da Lei é Cristo, para justificação de todo o que crê.” (Rm 10.4) “Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida.” (Tm 1.5)
 
Jesus Cristo é nosso justificador, morreu para fazer-se justiça em nosso lugar, deu a sua vida para que tivéssemos o direito de ser salvo e ter a vida eterna.
 
Joaquim Tiago
9/9/15

Direitos e deveres

Entre o direito e os deveres esta também a luta pela sobrevivência. Entre todas as lutas na busca pelo sustento da fome de pão e da fome de existir, esta a fé, a graça, o merecimento e a vontade própria, a justiças de si mesmo. Em Deus temos graça, o que justifica a real sobrevivência e existência na FÉ e dependência no Cristo. Por si mesmo buscamos todos nossos direitos e lutamos incansavelmente para nos justificar, justificar a violência, a dependência em entorpecentes, a independência financeira servindo ao deus deste século (Mamon). Onde esta sua vida?

sexta, 24 de julho, 2015

Generosidade

Ser generoso é ser uma pessoa de bom caráter.

 

Neste dias (talvez em outros também) encontramos pessoas tão individualistas, vivem uma religião apenas de si mesma(s) se tornam generosos apenas consigo mesmo.

Vivem com suas (únicas) necessidades miseráveis, mesquinhos, “pão-duro”, egoístas.

Essas pessoas não tem diferença nenhuma do homem chamado Ananias e sua esposa Safira relatado por Lucas nos Atos dos Apóstolos.

Estes ao fazerem uma aliança com o Espírito Santo logo depois deixou que Satanás entrassem em seus corações e que levam eles a mentirem repentinamente para os líderes da igreja nascente.

 

“Vocês não mentiram a homens mas a Deus” (At 5.4b).

 

Todas estas pessoas já caíram mortas, morreram por suas paixões, morreram por si mesmas e ainda fizeram morrer quem esta em sua volta como praga em plantações.

 

Cuidado com sua generosidade.

Quem cuida apenas de si de si mesmo ganhou apenas sua vida e morreu.

Se plantar uma semente cuide para que ela cresça e de fruto e o mesmo seja repartido.

 

 

Um homem chamado Ananias, juntamente com Safira, sua mulher, também vendeu uma propriedade.

Ele reteve parte do dinheiro para si, sabendo disso também sua mulher; e o restante levou e colocou aos pés dos apóstolos.

Então perguntou Pedro: “Ananias, como você permitiu que Satanás enchesse o seu coração, a ponto de você mentir ao Espírito Santo e guardar para si uma parte do dinheiro que recebeu pela propriedade?

Ela não lhe pertencia? E, depois de vendida, o dinheiro não estava em seu poder? O que o levou a pensar em fazer tal coisa? Você não mentiu aos homens, mas sim a Deus”.

Ouvindo isso, Ananias caiu e morreu. Grande temor apoderou-se de todos os que ouviram o que tinha acontecido.

Então os moços vieram, envolveram seu corpo, levaram-no para fora e o sepultaram.

Cerca de três horas mais tarde, entrou sua mulher, sem saber o que havia acontecido.

Pedro lhe perguntou: “Diga-me, foi esse o preço que vocês conseguiram pela propriedade? ” Respondeu ela: “Sim, foi esse mesmo”.

Pedro lhe disse: “Por que vocês entraram em acordo para tentar o Espírito do Senhor? Veja! Estão à porta os pés dos que sepultaram seu marido, e eles a levarão também”.

Naquele mesmo instante, ela caiu aos pés dele e morreu. Então os moços entraram e, encontrando-a morta, levaram-na e a sepultaram ao lado de seu marido.

E grande temor apoderou-se de toda a igreja e de todos os que ouviram falar desses acontecimentos.

Os apóstolos realizavam muitos sinais e maravilhas entre o povo. Todos os que creram costumavam reunir-se no Pórtico de Salomão.

Atos 5:1-12

“Os meus sonhos – Foram todos vendidos”

Essa música é o dia que Cazuza foi verdadeiramente um profeta e da realidade que nos deixa verdadeiramente em cima do muro.

É verdadeiramente triste ver os mesmo “heróis” da ditadura serem condenado

s por corrupção no chamado mensalão, ver uma ditadura vermelha pelo poder.

Hoje não me assusto tanto, porque sei que minha esperança não se resume a soluções desta terra, desta era, mas de outro governo.

O Reino dos Céus pode e deve estar no coração dos humildes, dos que sabem que o maior nele é aquele que serve, não do que servido.

O Reino de justiça é o Reino de quem sabe fazer justiça, do Deus que se deixou conhecer e ser chamado de amor.

O Reino do meu pai não é meramente uma ideologia, é para os que não vivem mais como os que aqui vivem, mas vivem sim pela FÉ naquele que da a vida. O problema de toda ideologia sem Deus é querer viver sem depender Dele para viver, fora Dele de forma independente.

Os verdadeiros justo viverão pela fé e serão justificado não por si só, nossa consciência é falida, é torta, não sabemos fazer justiça.

Os justificados viverão pela graça da salvação de quem nos deu uma nova vida e uma nova consciência, a de Cristo.

Mais de Cazuza e sua constatação real:

Meu partido
É um coração partido
E as ilusões
Estão todas perdidas
Os meus sonhos
Foram todos vendidos
Tão barato
Que eu nem acredito
Ah! eu nem acredito…

Que aquele garoto
Que ia mudar o mundo
Mudar o mundo
Frequenta agora
As festas do “Grand Monde”…

Meus heróis
Morreram de overdose
Meus inimigos
Estão no poder
Ideologia!
Eu quero uma pra viver
Ideologia!
Eu quero uma pra viver…

O meu prazer
Agora é risco de vida
Meu sex and drugs
Não tem nenhum rock ‘n’ roll
Eu vou pagar
A conta do analista
Pra nunca mais
Ter que saber
Quem eu sou
Ah! saber quem eu sou..

Pois aquele garoto
Que ia mudar o mundo
Mudar o mundo
Agora assiste a tudo
Em cima do muro
Em cima do muro…

Meus heróis
Morreram de overdose
Meus inimigos
Estão no poder
Ideologia!
Eu quero uma pra viver
Ideologia!
Pra viver…

Pois aquele garoto
Que ia mudar o mundo
Mudar o mundo
Agora assiste a tudo
Em cima do muro
Em cima do muro…

Meus heróis
Morreram de overdose
Meus inimigos
Estão no poder
Ideologia!
Eu quero uma pra viver
Ideologia!
Eu quero uma pra viver..
Ideologia!
Pra viver
Ideologia!
Eu quero uma pra viver…

A natureza criada aguarda, com grande expectativa, que os filhos de Deus sejam revelados.
Pois ela foi submetida à futilidade, não pela sua própria escolha, mas por causa da vontade daquele que a sujeitou, na esperança
de que a própria natureza criada será libertada da escravidão da decadência em que se encontra para a gloriosa liberdade dos filhos de Deus.
Romanos 8:19-21

“Eu presto atenção no que eles dizem, mas eles não dizem nada!

“Eu presto atenção no que eles dizem, mas eles não dizem nada!”

 

O que tem de “música” ruim sendo feito nesse Brasil, acredito que nem deveriámos chamá-las assim… podemos chamá-las de ritímos com letras miseráveis, coisa que esta além da pobresa. Isso mesmo… to falando destas… sei-lá o que se pode chamar esse sons… que ficam tocando constamente nas rádios que cobram seus “jabá” e nas propagandas dos canais abertos, essas idiotices que ficam “ARROCHANDO” o cerebro para ele pensar cada vez menos, acabando com qualquer possibilidade de pensamento criativo, um 360º de tontura, cambaleio e queda.

 

Mas ainda bem que existe um remasnecente das coisas boas, das boas letras e canções.

 

“Pouca Vogal” pode ser traduzido também como menos eu quero tchu, eu quero tha, aeaeaé… iiiii… oooo… e mais nada…

“Pouca Vogal” é muito mais verbos, substantivos e adjetivos junto com maravilhos significados, idéias, melodias e maravilhosa poesia.

 

“Deve ter alguma coisa que ainda te emocione?”

 

Graças a Deus!

Graças a Deus!

Graças a Deus!

Filhos da Luz

“A medida que proceguirem na vida, aprendam a discernir aquilo que agrada ao Senhor. Não particepem dos prazeres indignos do mal e das trevas, mas em vez disso, tragam todas essas coisas para a luz.” Ef 5.10,11

 

Nossa vida precisa ficar clara, aproximar da verdade, aproximar sem medo e sem dúvida do que é verdadeiro. Lógico que vivemos em um mundo coberto por meias verdades, por aparentes verdades vazias de conteúdo, um mundo coberto por uma mentira, por ilusões.

A mídia transforma o mundo em uma novela de fantasias, uma história de conto de fadas em busca da felicidade que não se acaba, em busca da fonte da juventude, do pote de ouro, do principe(a) encantado(a).

Onde esta a verdade, onde esta claro o que esta se vendendo?

O quê disso tudo agrada ao Senhor?

Será que conseguimos enchergar? Será que vemos com clareza?

Será essa vida só ilusão? Ou como já disse o sábio: “tudo é vaidade e correr atraz do vento”.

Para saber e continuar a viver de fato e de verdade devemos apredender a discernir o que realmente agrada ao Senhor, digo o nosso Senhor e não o falso e ilusório deste tempo.